Home » Sem categoria » Arroz com Galinha ou Galinhada


Setembro 22, 2009 | Visitas: 3
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Sem votos)
Loading...
Arroz com Galinha ou Galinhada
Autor: 
 

Preparacao
  1. Antes de tudo um aviso: esses frangos de supermercados e açougues
  2. não se prestam para este tipo de receita. São muitos tenros e se
  3. desmancham com qualquer fervura. Para este prato, procure uma
  4. galinha velha, experiente e graxuda. Se já estiver morta e limpa,
  5. não tem problema. Viva, maneie das patas, bem apertado. Depois,
  6. maniete-lhe a cabeça com o dedão mata-piolho cravado no gogo (dela
  7. lá). Ai, faca de conta que vai dar manivela num “Ford” de bigode:
  8. arrodeie com pulso e braço firme até sentir que desnucou a bruta.
  9. Largue, que ela vai sair estrebuchando e corcoveando como
  10. chimangos e maragatos degolados nos velhos entreveros. Depois se
  11. acalma, morta. Neste ponto já deve ter uma chaleira de água
  12. fervendo. Desmaneie, ponha a infeliz numa bacia ou gamela e
  13. despeje água quente por cima. As penas se afrouxam. Depene bem,
  14. arrancando com as mãos os manojos de penas. A penugem que sobra
  15. tira-se, passando a depenada por uma chama qualquer, até de jornal
  16. velho, operação que se chama “sapecar”. Lave a penosa tirando os
  17. pêlos queimados. Agora, mão na faca. Vamos começar pela sambiquira
  18. ou sambiqueira (titela, uropígio da galinha): tira-se aquela parte
  19. saliente, bem no meio da sambica, uma espécie de carne esponjosa,
  20. amarela e amarga. Agora, abre-se pelo pescoço, em baixo do bico,
  21. para tirar a tripa da goela, puxando com os dedos até rebentar.
  22. Corta-se fora a cabeça. Desconjuntando-se as pernas, querendo
  23. aproveita-las para alguma canja posterior, queima-se as unhas para
  24. “desunhar”, coisa que se faz também torcendo e puxando com os
  25. dedos. Depois, abre-se a galinha de duas maneiras: pelas costas ou
  26. pela barriga. Tira-se a buchada, separando-se os miúdos: moela,
  27. fígado, coração, que serão usados na própria galinhada ou numa
  28. canja aparte. Alguns comem também os bofes (pulmões). O tripedo
  29. joga-se para os gatos e cachorros. A moela tem que ser batida com
  30. a faca de plancha, dos dois lados. Depois aberta para retirar os
  31. grãos de terra e areia juntamente com a pele que a reveste por
  32. dentro. Feito isso desmembra-se a vitima, coisa fácil. O peito
  33. parte-se em dois, num talho atravessado, se preciso batendo com um
  34. martelo no lombo d faca. Concluída esta gastrônomo-cirurgia,
  35. mergulharemos as partes num vinalho guapo, em recipiente tampado
  36. para que a penosa e a fracionada anatomia se impregne de aroma
  37. peculiar dessa alquimia culinária. E assim deve ficar por uma
  38. noite, se possível. De vez em quando vire os pedaços, garfeie-os
  39. para que o vinadalho penetre bem, e repita quantas vezes puder. No
  40. outro dia é simples: a hora aprazada, panela com gordura quente.
  41. Coloque os pedaços sem o vinadalho. Frite um pouco. Despeje uma
  42. parcela do vinadalho. Repita este ritual até sentir que a galinha
  43. vai amaciar. Ai ponha o arroz, água fervendo, prove o sal, e o
  44. resto é sabido para obter um arroz solto ou molhado.

MAIS VISTOS

    Sorry. No data so far.

© 2006-2017 Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Contacto: maisreceitas@gmail.com